WEB GEAR

A tecnologia por trás da internet

Online rumo ao Offline setembro 19, 2008

Filed under: Uncategorized — marcelosurcin @ 2:57 pm

Old car por nickiedegiorgio.

Começou com o webmail, mas hoje já existe editor de vídeos, antivírus e até sistema operacional baseado na web. O caminho de usar o navegador como centro de tudo, porém, não é seguido por todo mundo. A Mozilla Foundation e a Apple lançaram projetos que vão na contramão de tudo isso, e até têm boas chances de darem bastante certo.

A cartada da Mozilla é o Prism, uma ferramenta simples que disfarça os sites com uma fantasia de programa de desktop, com direito a ícone de atalho no menu Iniciar do Windows e na barra de tarefas. Basta instalar a ferramenta, informar a URL do site e pronto: o Gmail, por exemplo, já pode ser acessado diretamente da área de trabalho.

Anúncios
 

O browser dos sonhos setembro 16, 2008

Filed under: Análises e Eventos — marcelosurcin @ 7:53 pm
Tags: , , ,


Aurora (Part 1) from Adaptive Path on VimeoPara muita gente, nem vale a pena discutir qual é o melhor navegador da atualidade. A resposta é Firefox e pronto. A Fundação Mozilla, que anda caprichando bastante no marketing, poderia relaxar e deixar que a (justificada) fama do browser fizesse com que a sua popularidade continuasse a crescer, deixando a coisa no automático.

Só que eles não estão dispostos a fazer isso. Muito pelo contrário. Em um modelo idêntico ao do Google, a Mozilla abriu as portas virtuais dos seus laboratórios, com o site Mozilla Labs. O espaço mostra produtos e idéias ainda verdes, mas que têm tudo para amadurecer e render ótimos frutos.

O exemplo mais promissor dessa plantação de novidades é o navegador Aurora. Ele ainda não passa de um conceito, mas traz, ao mesmo tempo, um mensageiro instantâneo com direito a chamadas de voz, agenda de eventos, acesso remoto ao PC do interlocutor e uma nuvem de tags que se assemelha ao desktop de um sistema operacional. Tudo com um visual deslumbrante.

Se você assistir ao vídeo até o final poderá achar que parece muito devaneio dos caras, mas analisando aos poucos você percebe quase tudo faz sentido ali. Um exemplo prático é a cena em que um usuário envia um link para o outro, e essa URL já aparece filtrada na tela do navegador do destinatário, como se fosse um alerta do Messenger.

O histórico de contatos, downloads e páginas visitadas fica numa moldura em volta do browser. Esse conteúdo não é organizado por categoria e sim de acordo com tags, que podem ser encontradas por meio de uma caixa de busca –idéias que já poderiam ser executadas com a tecnologia atual.  Também é inegável a influência do iPhone e do Mac OS X no design do projeto, mais uma prova de que é possível implementar muitas das novidades propostas pela Mozilla.

O pecado mortal que parece rondar o Aurora é a opção de ocupar a tela toda. Como ficou provado pelo fracasso do Joost, ninguém quer saber de ficar com apenas um programa na área de trabalho –por mais bonito e futurista que ele seja.

 

O show do TechCrunch 50 (parte II)

Filed under: Análises e Eventos — marcelosurcin @ 7:50 pm
Tags: , , , ,

Depois de 52 apresentações, muitos vídeos, posts e tweets, chegou ao fim o TechCrunch 50. O site Yammer, uma espécie de Twitter para grupos de trabalho, foi escolhido pela organização do evento como o melhor projeto. Além do reconhecimento trazido pela vitória, o Yammer levou um cheque de 50 mil dólares, valor quase simbólico perto das cifras milionárias que idéias inovadoras podem gerar.

Para chegar ao vencedor, o júri do evento levou em conta não apenas a originalidade da idéia, mas também o plano de negócio do projeto e sua viabilidade. Pensando assim, o Yammer realmente foi merecedor do prêmio. Restrito a usuários corporativos, o serviço permite que equipes publiquem mensagens curtas sobre as suas atividades, se comunicando com outras equipes da mesma empresa e assim produzindo melhor. É uma resposta para quem chama as redes sociais de social NOTworking.

Mas o Yammer não foi o único a brilhar. A seguir, vamos dar uma olhada em outros projetos interessantes que fizeram bonito no TC 50. Confira:

Busca no vídeo

O VideoSurf transforma em realidade uma recorrente promessa dos portais de vídeo online: realizar pesquisas por conteúdo baseando-se na identificação de imagens e não apenas em títulos, tags e outros dados informados por meio de texto. Grosso modo, o mecanismo do VideoSurf adiciona uma tag para cada frame de um vídeo e permite ao usuário fazer buscas específicas sobre um ator, uma cena ou até mesmo algum objeto ou cenário que aparece durante um filmete. Dá até para compartilhar as descobertas feitas nas buscas, guardando e enviando os trechos favoritos encontrados nos vídeos. O Google deveria correr e comprar essa startup.

Rumo à web semântica
O Flickr vai bem, obrigado. A Wikipedia, também. Mas porque não juntar as melhores qualidades desses dois sucessos da web 2.0 em um só serviço? Essa parece ser a proposta do serviço Fotonauts. Cada upload feito no álbum virtual do site é integrado com dados da Wikipedia e do Google Maps. Depois, é possível usar essas informações para criar tags inteligentes para as fotos e usar essas classificações em álbuns já existentes no Picasa e no Flickr. É uma das melhores iniciativas rumo ao tão sonhado cenário da web semântica.

Repórteres sem fronteiras (nem crachá)
O Iamnews conseguiu um jeito novo de executar uma idéia já manjada: aproveitar a “sabedoria das multidões” para criar uma cobertura jornalística coolaborativa online. A sacada do serviço é facilitar a comunicação entre blogueiros e jornalistas-cidadãos criando um canal onde o ‘publicador de notícias’ pede a ajuda de terceiros para encontrar fotos, artigos e vídeos. Depois, o material é reunido e publicado. O Iamnews  foi o vencedor da escolha popular, selecionado de um grupo de 100 startups que não fizeram parte do TC50, mas que encararam o DemoPit –uma espécie de série B do evento.

Rede filantrópica
O CauseCast pode não ter sido o projeto mais inovador do TC50, mas, com certeza, foi o serviço com as intenções mais nobres. Basicamente, o site é uma rede social que aproxima pessoas que precisam de ajuda das pessoas que querem ajudar. Todo mês, o site vai escolher 10 ONGs para serem ajudadas e os usuários poderão escolher quais instituições vai ajudar. Feito isso, o filantropo digital ganha um widget para exibir em seu blog ou em outras redes sociais. A idéia é engajar mais e mais pessoas em uma corrente do bem digital.

 

Faça tags direito

Filed under: Uncategorized — marcelosurcin @ 7:35 pm
Tags: , , , ,

Este post surgiu em um papo com o Manoel Lemos, criador do Blogblogs. Ele veio nos mostrar o site de perguntas e respostas Brasigo e acabou dando uma dica bacana sobre a padronização dos links para tags.

Com o uso de um simples microformato, é possível organizar melhor as etiquetas de um site e, de quebra, deixar o conteúdo “mais atraente” para os bots de busca.

Ao adicionar o atributo rel=”tag” você especifica uma URL como endereço de uma tag, e isso ajuda o Technorati e companhia a indexar sua página com maior precisão. A sintaxe do negócio fica mais ou menos assim;

<a href=”http://endereco.com/categ/tags/assunto/” rel=”tag”>assunto</a>
(O importante é que a Tag sempre seja o último elemento da URL. Também não esqueça de especificar os espaços (com os tradicionais + e %20) e os acentos (no padrão encoding UTF-8)

No seu blog, o Manoel Lemos cita outros exemplos do uso do microformato, usando, inclusive, atributos diferentes para uma tag de um assunto de uma categoria maior.

<a href=”http://technorati.com/tag/linux” rel=”tag”>Ubuntu</a>

É engraçado voltar a falar sobre esse tema quase um ano depois e não ter nada mais concreto para retratar. A tal da web semântica ainda está engatinhando (pelo menos parece que está indo para a direção certa).

Os caras dos Microformats têm um wiki com uma documentação vasta sobre o Rel-Tag em inglês e em português.